No verão de 2001, no cárcere de Bullington, na Inglaterra, Tony A., um crente, cumpria uma pena de quinze meses por homicídio involuntário. Estava desanimado. Certo dia, enquanto lia sua Bíblia, um prisioneiro chamado Darren B. entrou em sua cela. Surpreso, Tony escondeu sua Bíblia debaixo do travesseiro, mas Darren viu seu gesto e o pressionou com perguntas até que Tony lhe disse que estava lendo seu versículo predileto, João 8:36. Incomodado com a timidez de seu companheiro, Darren se retirou.

Três dias depois, ele voltou com um grande sorriso e explicou a Tony o seguinte:

- Fui à capela pegar uma Bíblia. Você me parecia tão misterioso acerca do que estava lendo em seu livro, que eu também quis ler o mesmo. Pedi uma Bíblia ao capelão, mas como ele achou que eu iria usar as folhas para enrolar cigarros, não quis me dar. Então, uma hora em que ele não me viu, eu tirei uma e a escondi debaixo do meu casaco.

- Não me diga que te pegaram? – Sim, me revistaram e a encontraram; depois me colocaram no isolamento durante vinte e quatro horas. – Sinto muito! - Não te preocupes, pois não encontraram a outra que eu tinha escondido na minha calça, disse Darren, com os olhos brilhando. Desse modo eu tinha algo para fazer durante meu isolamento. Queria encontrar a frase acerca da qual você tinha falado, mas não sabia onde estava. Me pareceu que você tinha dito Tiago ou João, mas eu nunca tinha aberto uma Bíblia.